resenhas category image [Resenha] – Divergente, Veronica Roth 01/07/14

DIVERGENTE_1343154852P

Nome: Divergente
Autor(a): Veronica Roth
Editora: Rocco
Número de páginas: 502
Ano: 2012
Avaliação geral: ★★★★½

Numa Chicago futurista, a sociedade se divide em cinco facções – Abnegação, Amizade, Audácia, Franqueza e Erudição – e não pertencer a nenhuma facção é como ser invisível. Beatrice cresceu na Abnegação, mas o teste de aptidão por que passam todos os jovens aos 16 anos, numa grande cerimônia de iniciação que determina a que grupo querem se unir para passar o resto de suas vidas, revela que ela é, na verdade, uma divergente, não respondendo às simulações conforme o previsto.

A jovem deve então decidir entre ficar com sua família ou ser quem ela realmente é. E acaba fazendo uma escolha que surpreende a todos, inclusive a ela mesma, e que terá desdobramentos sobre sua vida, seu coração e até mesmo sobre a sociedade supostamente ideal em que vive.

Divergente nunca foi um livro que me chamasse atenção, eu tinha escutado comparações demais com outras séries distópicas e não encontrava nenhum elemento que aflorasse minha curiosidade além do modo brando. Mas dado o burburinho com o lançamento do filme, acabei de fato me sentindo deslocada e resolvi que iria dar uma chance ao livro. Surpreendentemente adorei a leitura! A história apresenta um quadro a quadro de desenvolvido tão vivido que é impossível não ser eletrizado pela narrativa da Veronica.

Com base na virtude considerada por parcelas da população como a mais ideal, 5 facções equilibram uma Chicago do futuro. Na Abnegação estão os integrantes que cultivam o altruísmo, na Franqueza aqueles que acreditam na honestidade, a Amizade é compreendida pelos que semeiam a paz, na Erudição estão os que estimam o conhecimento, e a Audácia, por fim, valoriza a coragem. O lema ‘facção antes do sangue’ é adotado como regra, e é aos 16 anos que os jovens fazem a difícil escolha de continuar na facção de origem ou abandonar a família rumo a uma nova.

Tris nasceu na Abnegação, mas nunca se considerou altruísta o suficiente para permanecer nela. Apesar de optar por seguir rumo a Audácia na cerimônia de escolha, ela descobriu algo perigoso: suas habilidades não a caracterizam em nenhuma facção em particular: seu teste de aptidão foi inconclusivo. Ela é divergente.

A proposta de limitar a sociedade em facções tão específicas não faz muito sentido na história, nenhuma sociedade conseguiria se sustentar de maneira eficaz com um motivo existencial tão estereotipado. Ao abstrair a razão inicial da formação dessa sociedade, porém, o enredo consegue aprofundar eixos positivos por outros ângulos, como a construção continua do amadurecimento de Tris e o aprimoramento de uma narrativa que ganha ritmo a cada capítulo.

Em relação a Tris, temos aqui uma protagonista passando por um tipo de situação clichê: ela é pequena, sem porte físico e todos a caracterizam por antecipação como frágil, então ela decide ir de encontro a esse rótulo. Mas essa determinação em provar que consegue superar limitações não acontece de maneira forçada, ou simplória. Muito pelo contrário, o amadurecimento vem a pequenos passos, equilibrado nas situações e desafios do treinamento diário da Audácia. Tris tem sua personalidade moldada em camadas, porque não hesita diante de desafios, mas, por outro lado apresenta um psicológico coeso com o grau emocional demandado.

A história apesar de juvenil é demarcada pela brutalidade, Veronica não suavizou cenas, ou economizou na intensidade delas. Os personagens secundários, por sua vez, são bem caracterizados, cada qual com sua razão de ser. Sabem aquela impressão de personagens todos iguais que não somam e apenas fazem volume? Isso não acontece aqui. Tris teve ponto de apoio no seu crescimento o relacionamento com os outros integrantes da facção, e é quando percebemos a riqueza que se forma quando características de outras facções são combinadas entre si.

O romance com Quatro – o instrutor de Tris – embora envolvente, não foi minha parte favorita do livro. Gostei muito mais do modo de condução da trama e do rumo tomado do meio pro fim da história. Veronica conseguiu me ganhar totalmente com sua facilidade em aguçar emoções e criar cenas arrebatadoras, me vi vidrada nos momentos finais: um misto de curiosidade crescente, aflição e choro. Divergente é sem dúvida alguma extasiante.

DESIGN: ★★★★★
IMPACTO: ★★★★½
NARRATIVA: ★★★★★

9 comentários
Postado em 01/07/14 por brendalorrainy



brendalorrainy
19 anos. Criadora do CDI é estudante de administração com inclinação para o setor editorial. Tem uma queda por felinos, por quadrinhos e pela combinação tinta e papel. Adora criar metas o tempo inteiro e estranhamente odeia dormir. Também detesta café, tem tendência ao caos e morre de medo de altura. É viciada em Friends e em qualquer coisa que a faça rir.
Deixe aqui seu comentário!

CommentLuv badge


9 comentários »
01/07/2014 às 15:43
Visitante assíduo e já deixou 39 comentários.

Oi Brenda,
Como você disse ouvi muitos comentários sobre a trilogia e tenho medo de não gostar por causa das expectativas =( espero que se eu chegar a lê-lo a leitura me conquiste.
Beijocas ^^

[Responder]


01/07/2014 às 16:39
Visitante assíduo e já deixou 29 comentários.

Olá, Brenda, quanto tempo!!! Sempre passo no blog pra ver ser tem postagem e hoje foi uma surpresa!
Não comecei a ler a trilogia ainda mas pretendo, parece ser muito bom.
Realmente a proposta de limitar a sociedade em facções tão específicas não fez muito sentido, mas a ideia foi original.
Ótima resenha! Bjs <3

[Responder]

brendalorrainy Reply:

Oi Edilza, awn que feliz que você não esqueceu o blog.
Eu não dava nada, nadica pelo livro, mas paguei a lingua porque ele é bom demais, Lê sim :D
Beijão e obrigada pelo comentário (mesmo!).

[Responder]


01/07/2014 às 20:08
Visitante assíduo e já deixou 15 comentários.

Divergente <3
Sou suspeita pra falar pq amo a série, o que mais me incomodou foi justamente o fato de persistirem nessa fragilidade das personagens principais, tu citou isso ai :)
No mais amo a série, exceto uns pontos que não posso citar, pq são spoilers pra quem não leu a trilogia ainda!!
bj

[Responder]


02/07/2014 às 10:29
Você já comentou 7 vezes.

Ao contrario de voce Brenda eu sempre tive uma leve curiosidade para poder ler esse livro, tinha achado a sinopse interessante porem a falta de tempo (vulgo $$), fui deixando de lado, mas com o lançamento do filme a meses atras me senti tentada de te-lo, achei a ideia da Veronica muito boa, acho que mais me encantei foi a características de cada personagens que é descrito, bom espero poder ler ainda esse livro !!
Parabens pela resenha, gostei!

[Responder]


02/07/2014 às 12:30
Comentou pela primeira vez, boas vindas!

Que blog lindo, Brenda! Adorei o detalhe do catavento se mexendo *-*

Quanto ao livro Divergente, acho que nem tem mais o que dizer, amei esse livro e amei o filme. Vou voltar pra ver o que você achou dos demais livros da série, porque o último me decepcionou :(
Juliana postado recentemente..Eventos da 23ª Bienal Internacional do Livro de São PauloMy Profile

[Responder]


02/07/2014 às 21:44
Visitante assíduo e já deixou 31 comentários.

Brenda, quando eu abri essa resenha no meu e-mail, fiquei embasbacada! Eu descobri essa série ano passado, e fiquei louca da vida! Comprei os dois livros e esse ano esperei pelo último. Sou viciada! Só te digo uma coisa: Você tem que ler os outros dois livros! São maravilhosos, sempre com essa mesma adrenalina e deixando os nervos à flor da pele! Uma coisa que preciso comentar que odeio nas pessoas, é que se deixam influenciar com isso de: Divergente é igual à Jogos Vorazes e outras distopias. Agora me diga Brenda, tinha mesmo algo a ver ou você acha que são completamente diferentes? Eu me irrito com o fato de muitas pessoas não lerem os livros que são incríveis, só por causa de bocas más!
Enfim, resenha ótima, livro ótimo! Um beijão!

[Responder]


03/07/2014 às 02:26
Visitante assíduo e já deixou 80 comentários.

Brenda que bom ver postagens novas no blog :)

Que bom que Divergente te surpreendeu positivamente.
Já li toda a trilogia, não é uma das minhas séries preferidas, mas curti bastante a leitura dos 3.

[Responder]


03/07/2014 às 20:26
Comentou pela primeira vez, boas vindas!

Ola Brenda tudo bem? Nossa o que falar sobre Divergente? Eu sou totalmente fã e o livro foi sem duvida a minha melhor leitura de 2013, tanto que ao termina-lo pela primeira vez eu o recomecei na hora!

Adorei sua resenha, me deu aquela vontade de ler novamente!

Achei seu blog através da Pah do Livros & Fuxicos, amei e já estou seguindo o/. Se quiser conhecer meu cantinho sera super bem vinda.
Beijos Joi Cardoso
Estante Diagonal
Joi Cardoso postado recentemente..Resenha: Não Olhe!My Profile

[Responder]