resenhas category image [Resenha] – Alta fidelidade, Nick Hornby 05/11/13

alta

Nome: Alta fidelidade
Autora: Nick Hornby
Editora: Companhia das Letras
Número de páginas: 312
Ano: 2013
Avaliação: ★★★★☆
Livro cedido em parceria com a Companhia das Letras

Rob é um sujeito perdido. Aos 35 anos, o rompimento com a namorada o leva a repensar todas as esferas da vida – relacionamento amoroso, profissão, amizades. Sua loja de discos está à beira da falência, seus únicos amigos são dois fanáticos por música que fogem de qualquer conversa adulta e, quanto ao amor, bem, Rob está no fundo do poço.

Para encarar as dificuldades, ele vai se deixar guiar pelas músicas que deram sentido à sua vida e descobrir que a estagnação não o tornou um homem sem ambições. Seu interesse pela cultura pop é real, sua loja ainda é o trabalho dos sonhos e Laura talvez seja a única ex-namorada pela qual vale a pena lutar.

Música pop ecoando ao fundo, um cara de 35 anos preso em sua adolescência sentimental, e uma porção de relacionamentos que não deram certo. Essa é a proposta base de Alta Fidelidade, um romance de formação que balança o descontraído e honestamente prático.

Rob é um babaca. Não sabemos isso de primeira, mas essa é a forte impressão que se forma ao decorrer da história. Ele tem uma loja de discos usados falida, planos inacabados, e acaba de sair de mais um relacionamento (mais um!). Dessa vez, porém, no lugar de se perguntar o que pode ter dado errado com Laura, ele elenca os términos mais memoráveis da sua vida, excluindo propositalmente sua última parceira do top five e procrastinando mais um pouco sua vida, muito bem, obrigado.

A surpresa de Alta fidelidade vem pelo fato de que no lugar de alimentarmos repulsa por Rob, por todas suas burradas e bizarrices, é quase adorável acompanhar sua narração carismática e trôpega. É como pegar carona no universo masculino, pelos olhos do mais frágil e inseguro integrante dele. Seu relato tem uma veia cômica, do tipo de humor autodepreciativo que vale a pena conferir, ao mesmo tempo, vez ou outra Rob surpreende com um pensamento insólito e inusitado.

“Mas o negócio é o seguinte: uma canção sentimental tem esse grande poder de levar a gente pro passado enquanto, ao mesmo tempo, carrega pro futuro, de modo que é alguma coisa simultaneamente nostálgica e esperançosa.” Pag 66.

E por falar em canção, saudosistas da música pop encontrarão um prato cheio aqui, toda a história é contada com um pano de fundo aqui outro ali de referência musical. Colocações com gostinho nostálgico adentram o enredo, e debates acalorados entre os personagens sobre álbuns e cantores também ganham destaque. Afinal, a música aqui culmina o âmago da história.

Enquanto isso, todo aspecto relacionado às desilusões amorosas propiciam um ambiente confortável ao leitor, Nick passeia livremente pelo tema e nos deixa facilmente identificados com as diversas situações enquadradas por Rob. Um pé na bunda, um romance não correspondido, o primeiro amor. A conexão é ora inevitável ora compreensível. A facilidade e leveza inerente a narração permeia o livro do início ao fim, sem pretenciosismos ou exageros.

Adaptado para o cinema no ano 2000, Alta fidelidade como o The Guardian anuncia na capa é “Um clássico imediato”, sua atmosfera inovadora é refrescante e logo entende-se o grande entusiasmo obtido ao seu lançamento na década de 90. Nick Hornby sabia muito bem onde estava se metendo em seu livro de estreia.

DESIGN: ★★★★★
IMPACTO: ★★★★☆
NARRATIVA: ★★★★½

9 comentários
Postado em 05/11/13 por brendalorrainy



brendalorrainy
19 anos. Criadora do CDI é estudante de administração com inclinação para o setor editorial. Tem uma queda por felinos, por quadrinhos e pela combinação tinta e papel. Adora criar metas o tempo inteiro e estranhamente odeia dormir. Também detesta café, tem tendência ao caos e morre de medo de altura. É viciada em Friends e em qualquer coisa que a faça rir.
Deixe aqui seu comentário!

CommentLuv badge


9 comentários »
06/11/2013 às 23:52
Visitante assíduo e já deixou 105 comentários.

Gostei, outro livro que não conhecia!
e ainda tem filme! adorei!

[Responder]


Tay
07/11/2013 às 12:35
Visitante assíduo e já deixou 19 comentários.

Eu amei esse livro, muito mesmo.
Beijo.

[Responder]


07/11/2013 às 19:20
Visitante assíduo e já deixou 40 comentários.

esse livro é muito bom, muitos caras como eu se identificam, ainda mais aqueles que tem como música uma grande paixão a ponto de comprar muitos discos ou cd’s, e que também tiveram muitos relacionamentos amorosos fracassados, então testemunhamos no Rob uma crise dos 30 de forma bem realista, inteligente e engraçada.

[Responder]


11/11/2013 às 13:22
Você já comentou 3 vezes.

Bom, já tinha lido outras resenhas desse livro e confesso que fiquei bem curiosa. Ele foge totalmente do que estou acostumado a ler. A estória do livro não é impossível, pelo contrário, deve existir muita gente que passou ou está passando por esses “PROBLEMAS” que Rob possui.

http://0kay0kay.blogspot.com.br/
Carol Mendes postado recentemente..Resenha de Filme: 50%My Profile

[Responder]


16/11/2013 às 09:51
Visitante assíduo e já deixou 223 comentários.

Não conhecia esse livro, achei diferente e interessante.
A parte da música chamou muito minha atenção. Adorei!

[Responder]


23/12/2013 às 09:17
Comentou pela primeira vez, boas vindas!

Olá, primeiro a conheci através do Jornal do Commercio e já estou amando o seu cantinho também amo ler e ainda não conhecia esse livro mas achei super interessante e preciso ler, já estou contando as horas para adquirir. Parabéns pelo blog, sucessos! Beijos!

[Responder]


10/02/2016 às 00:15
Comentou pela primeira vez, boas vindas!

Parabéns linda! Gostei bastante do seu “Catavento de ideias”
Antonia Silva postado recentemente..8 maneiras de como deixar um homem louco na camaMy Profile

[Responder]


20/01/2017 às 10:13
Comentou pela primeira vez, boas vindas!

mais um ótimo post ,parabéns gata

[Responder]


07/05/2017 às 19:24
Você já comentou 6 vezes.

Não conhecia esse livro, achei diferente e interessante

[Responder]